terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Meus Oito Anos


Oh! Que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida,
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias
Do despontar da existência!
- Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é lago sereno,
O céu - um manto azulado,
O mundo - um sonho dourado,
A vida - um hino d'amor!

Que auroras, que sol, que vida,
Que noites de melodia,
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar!
O céu bordado d'estrelas,
A terra de aromas cheia,
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar!

(Meus Oito Anos - Casimiro de Abreu)

Um comentário:

crystypaiva disse...

OI Rosely
fiquei muito feliz de achar esse poema que amo e acompanhado de uma foto linda que traduz tudo o que o poeta quis dizer!

Muito obrigada pela alegria que me proporcionou